Além da Casa Civil, SPM e Setre são opções para Major Denice no governo Rui

Foto: Reprodução

Além da Casa Civil, outras duas opções figuram na lista de secretarias que a ex-candidata à prefeitura de Salvador nas eleições deste ano, Major Denice (PT), pode assumir no governo Rui Costa (PT). O Bahia Notícias apurou que figuras do núcleo próximo ao chefe do Executivo estadual aventam a possibilidade de a neopetista ser alocada na chefia da Secretaria de Política para as Mulheres (SPM) ou da Secretaria de Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre).

A sinalização de que Denice vai virar secretária foi feita por Rui em uma reunião em 16 de novembro, um dia após Bruno Reis (DEM) vencer a eleição em Salvador em primeiro turno de forma acachapante, com 64,20% dos votos válidos. Apesar de ver sua aposta, Denice, derrotada nas urnas, o governador foi enfático em dizer no encontro, ocorrido no Palácio de Ondina, que tem um projeto político para ela. Da reunião, participaram nomes considerados do núcleo duro do governo, como o chefe de gabinete Cícero Monteiro, o senador Jaques Wagner (PT), o secretário de Comunicação André Curvello e a coordenadora da campanha, Fabya Reis (PT). 

A possibilidade de que ela assuma a SPM ou a Setre é considerada porque as pastas convergem com áreas de atuação da petista. No caso da SPM, Denice tem vasta experiência em políticas para mulheres por ter comandado a Ronda Maria da Penha durante cinco anos. Em relação à Setre, a avaliação é de que, enquanto candidata, a major licenciada se aproximou da pauta da geração de emprego e renda. 

ARROJO POLÍTICO
Já a ida da ex-candidata para a Casa Civil é vista como algo mais complexo. Quem está no cargo, de estrita confiança do governador, é responsável por assessorá-lo no desempenho das funções. Nos bastidores, avalia-se que, se Rui colocar Denice na pasta, passará ao meio político a sinalização de que ela pode ser a aposta dele como candidata ao governo em 2022. Vale lembrar que Wagner fez o mesmo com Rui antes de escolhe-lo como candidato a seu sucessor em 2014.

Um movimento como esse exigiria arrojo do governador porque definir a sucessão suscita diversas variáveis. Dentro do PT, os nomes mais cotados para a disputa são o do ex-governador Jaques Wagner e, com menos chances, o atual secretário de Educação Jerônimo Rodrigues. Chancelar um sucessor também significa combinar com os russos. Por russos, entenda-se uma base aliada extensa, formada por pelo menos 13 partidos, sendo que dois deles, PP e PSD, costumam ter apetite voraz por poder e cargos. Entre petistas e o entorno de Rui, comenta-se ainda que o PSD, maior sigla do grupo, tem interesse na Casa Civil. Ou seja, levar Denice para a pasta pode ser mexer em um vespeiro.

OUTROS CENÁRIOS
A ida da ex-candidata para uma secretaria também depende de que outras peças sejam mexidas no tabuleiro político do governador. Ainda não se sabe o que será feito com espaços ocupados atualmente por PL e PDT, que resolveram apoiar Bruno Reis em Salvador. A expectativa é de que o petista puna a infidelidade política das siglas limando-as da gestão. Caso isso aconteça, há partidos esperando serem beneficiados, como o PSB, que indicou a deputada estadual Fabíola Mansur para chapa de Denice após retirar a candidatura de Lídice da Mata na capital baiana. Atualmente à frente da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial, Fabya Reis é outra que pode ser contemplada com novo cargo nesta dança das cadeiras. Seria um reconhecimento ao seu trabalho na coordenação da campanha de Denice, bem avaliado dentro do PT.

Colocá a ex-Ronda Maria da Penha na SPM ou na Setre mexeria em pastas atualmente comandadas pelo PCdoB. Seria um possível recado de Rui contra a rebeldia do partido, que, contrariando seus pedidos, lançou a deputada estadual Olívia Santana como candidata à prefeitura de Salvador. Acredita-se que, ao disputar eleitorado parecido com o de Denice, ela roubou votos que poderiam levar a major ao segundo turno. 

Presidente do PT na Bahia, Éden Valadares disse para a reportagem que discussões sobre mudanças no secretariado não foram pautadas junto ao partido pelo governador. Segundo ele, as conversas com Rui giram apenas em torno do segundo turno em Feira de Santana e Vitória da Conquista, onde o gestor está empenhado em eleger candidatos petistas que aparecem com chances reais de vitória.

A expectativa é de que as conversas sobre o assunto sejam retomadas após o pleito, que acontece no domingo (29). Enquanto aguarda definição, Denice descansa com a família na praia de Arembepe, em Camaçari.

Fonte: Bahia Notícias

Comentários no Facebook