Após sequência ruim, diretoria do Bahia mantêm Roger no Cargo: “Não corrige trocando treinador”

Foto: Reprodução

Acompanhado do presidente do Bahia, Guilherme Bellintani, e do diretor de futebol, Diego Cerri, o técnico Roger Machado concedeu entrevista coletiva à imprensa após o revés por 2 a 0, contra seu maior rival, neste sábado.

“Queria aproveitar esse momento para falar com nosso torcedor, que está indignado, muito chateado, diferente do que foi planejado. Nós não temos direito de pedir nada ao torcedor. Temos que deixar muito claro que o projeto do futebol do clube vai ser muito forte. Estamos passando por momento difícil, semana indigesta. Não poderíamos imaginar eliminação na Copa do Brasil como foi. Após a eliminação, tivemos uma conversa muito dura com o grupo. De postura, de como devemos nos portar em campo. Hoje, no vestiário, apesar do momento difícil. Não faltou entrega hoje, transpiração. Faltou competência. O que fazer agora é trabalhar, falar pouco e dar resposta dentro de campo. A resposta não vai ser no microfone. É dar essa resposta ao torcedor, que vem nos apoiando. Tem todo direito de se manifestar. Agora, podemos prometer empenho e nós vamos buscar essa classificação na Sul-Americana e nos recuperar na Copa do Nordeste nos próximos jogos”, disse Diego Cerri.

Já o mandatário Tricolor fez questão de avaliar o trabalho de Roger Machado, um dos alvos da torcida na partida deste sábado, e garantiu a permanência do treinador para a sequência da temporada. “Eu não acho que seria o quarto jogo. É o quarto jogo do ano, mas o trabalho é avaliado também por toda circunstância do ano passado. É análise do todo e não de circunstâncias. Ano passado tínhamos um elenco que foi bem em determinado momento e depois caiu de rendimento. A história desse ano se aproxima da história do ano passado. A gente já começa a ouvir ‘troca de treinador’ da torcida. É natural. A torcida está chateada. A história é contada como filme e não fotografia. Se a gente entender que falta jogador, que o trabalho não está atendendo ou que o clube não está dando estrutura, a gente vai mudar. Na quarta-feira, não faltou qualidade técnica dos jogadores, treino. O que faltou foi envolvimento maior com desejo de ganhar e não administrar resultado. Não corrige trocando treinador, mas conversando. Hoje, o defeito foi outro, alguns individuais. O próprio Douglas, mas também de ataque. A quantidade de gol que nós perdemos também é erro. Não adianta dar o remédio errado para doença tal”, disse Bellintani.

Bellintani admitiu que estava presente na entrevista coletiva devido ao momento delicado do Bahia. O treinador, contudo, pontuou que ficou mais incomodado pela derrota para o River-PI, na última quarta-feira. – Nos momentos difíceis, entendemos que o presidente tem que falar. Todos os momentos eu tenho aparecido, dado as caras. Não tem nenhum movimento diferente. Não sou presidente que me escondo, estou aí sempre. Nos momentos ruins eu me cobro. É quando a torcida merece mensagem do presidente. Aconteceu, alguma hora iria acontecer [o fim do tabu]. Confesso que fiquei mais indignado com o jogo de quarta-feira com o de hoje. Hoje saio profundamente chateado com o resultado, com as circunstâncias, por ser clássico. Ao mesmo tempo, acho que o jogo de quarta me indignou mais. Ainda estou com a cabeça no jogo de quarta.

O presidente do Bahia ainda comentou sobre possíveis reforços para equipe. Sem citar nomes, Guilherme Bellintani afirmou que o clube está em negociação com um jogador. – Eu acho que perder um clássico depois de 12 sem perder não é demérito. Significa que, nos últimos 13, perdemos um. Deve ser dito. Alguma hora os tabus caem. Em relação a contratação, esse ano a gente conseguiu modelo de contratação pontual. Perdemos dois titulares de ano passado. Trouxemos seis jogadores. Quando terminou a sexta, faríamos uma ou duas. Há uma contratação em conversa. Está em mesa. Pode ser que ela não aconteça – concluiu. Informações do Bnews.

Comentários no Facebook