Bahia perde para o Atlético-GO em Pituaçu, no primeiro jogo comandado por Mano Menezes

Tudo bem que foram apenas dois dias de treinamento até a estreia deste domingo, 13, na derrota por 1 a 0, em Pituaçu, para o Atlético-GO, mas o futebol apresentado pelo Bahia na estreia do badalado técnico Mano Menezes à frente do time não poderia ser mais preocupante.

O treinador mudou a equipe titular e o esquema, mas uma fator determinante não foi visto dentro de campo: mudança de atitude. Apático, como nas últimas partidas do Campeonato Brasileiro, o time não conseguiu demonstrar qualquer poder de reação ou empenho para vencer o jogo.

Mano até conseguiu dar uma organizada no setor defensivo, tanto que Douglas fez poucas defesas. Mas a falta de atitude do Bahia custou caro, e não podia ser mais cruel. O Dragão carimbou os três pontos com um gol do goleiro Jean. Ou seja, além da lei do ex ter entrado em ação, ainda foi com inédito gol de goleiro.

Mas ao mesmo tempo que Mano conseguiu dar certo equilíbrio – ainda precisa melhorar muito – para o setor defensivo, o ataque que já produzia pouco, praticamente sumiu. Gilberto, Rodriguinho, Élber e Clayson pouco participaram da partida e erraram um número absurdo de passes, assim como todos os outros jogadores do Tricolor.

Resultado, o Tricolor agora soma seis jogos sem vencer no Campeonato Brasileiro e encerra a sequência de dois jogos em cada sem fazer um gol sequer.

O Bahia volta a campo na próxima quarta-feira, às 21h30, quando visita o Corinthians na Neo Química Arena. Já o Atlético-Go recebe o Atlético-MG, às 21h, do próximo sábado, no estádio Olímpico.

Lei do ex

Ciente da fragilidade defensiva do Bahia, o treinador Mano Menezes trouxe mudanças no esquema tático, bem desenhado em um 4-1-4-1, com Ronaldo entre as linhas, e mudanças no time titular, com as entradas de Clayson e Jadson no time titular.

E a mudança surtiu efeito. Com as peças bem posicionadas e trabalhando em blocos, o Tricolor praticamente não foi incomodado pelo Atlético-GO. O Dragão até teve mais posse de bola, mas não conseguia evoluir nas investidas ofensivas ou pressionar a defesa.

Se adaptando ao novo estilo de jogo, o Bahia começou a se soltar mais na partida e a levar perigo ao gol de Jean. Motivados pela nova oportunidade no time titular, Clayson e Jadson apareceram bastante para o jogo e arriscaram jogadas individuais, tabelas rápidas e finalizações.

A equipe de Goiás só conseguiu assustar o goleiro Douglas aos 28 minutos, quando Nicolas arriscou um chute da intermediária e tirou tinta da trave tricolor. E sem ter êxito nas tentativas para entrar na área, o Dragão passou a chutar todas de fora da área.

Na única que vez conseguiu entrar na zaga baiana, Janderson fez a festa em cima dos marcadores e, quase caindo, driblou o goleiro Douglas e chutou, mas a bola foi fraquinha e Juninho consegui evitar o gol do Atlético.

Do outro lado, o Bahia não fazia questão de ter a posse de bola. O objetivo era roubar a bola e sair em velocidade com Élber ou Clayson. Mas o grande número de passes errados impediu as investidas do Bahia.

Com o jogo truncado, o Atlético abriu o placar após cobrança de falta. O goleiro Jean, que marcou o seu primeiro gol como profissional, cobrou da meia-lua, a bola bateu na barreira e voltou para ele, que emendou um chute de canhota, sem chance para Douglas. A lei do ex entrou em ação no estádio de Pituaçu.

Na beira do gramado, o que se viu foi um Mano Menezes extremamente agitado, irritado e proferindo palavrões impublicáveis. Mas nada foi suficiente para o Bahia conseguir reagir nos 90 minutos.

Mano chegou a fazer as cinco alterações, mas viu seu time sem força ou alma na partida. E ainda viu Juninho ser expulso, após agredir Matheus Vargas no rosto nos minutos finais do duelo. Informações do Portal A Tarde.

Comentários no Facebook