Bolsas mundiais enfrentam novas quedas nesta quinta

O anúncio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a suspensão de viagens da Europa ao país provocou quedas nas bolsas de valores mundiais. 

Nessa quinta-feira de manhã (12), o índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, abriu o pregão cerca de 2% mais baixo. Em seguida, houve uma inundação de ordens de venda após o anúncio de Trump. Muitos investidores também acreditam que o presidente americano não conseguiu estabelecer com clareza medidas de estímulo para deter o impacto do surto do coronavírus.

O Nikkei caiu mais de 1.000 pontos em relação ao encerramento do dia anterior, antes de fechar a sessão matinal em 18.412 pontos, com recuo de 1.003 pontos.

Já a moeda japonesa subiu ao patamar de 103 ienes em relação ao dólar.

Bolsas europeias

Os mercados da Europa também estão reagiando ao anúncio de Trump e ao fato do coronavírus ser considerado uma pandemia pela OMS (Organização Mundial da Saúde). 

Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, às 5h14, no horário de Brasília, a Bolsa de Londres caía 5,09%, a de Frankfurt recuava 5,51% e a de Paris se desvalorizava 5,06%. Em Milão, Madri e Lisboa, as perdas eram de 5,87%, 5,62% e 3,67%, respectivamente. Já o índice pan-europeu Stoxx 600 tinha queda de 5,37%, atingindo os menores níveis desde julho de 2016.

Petróleo

O petróleo também tem chamado atenção desde o começo da semana, após a disputa de preços entre Arábia Saudita e Rússia. Após ter a maior queda desde 1991, época da Guerra do Golfo, houve uma recuperação na terça-feira (10), mas, já na quarta, os preços voltaram a cair e, nesta quinta, as baixas continuam. A AxiCorp diz que investidores fariam bem ao vender suas ações ligadas a petróleo, apontando que, muito provavelmente, companhias aéreas e petrolíferas enfrentarão uma crise de crédito. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo. 

Às 05h03, de Brasília, o barril do petróleo Brent para maio caía 5,50% na ICE, a US$ 33,82, enquanto o WTI para abril descia 5,06% na Nymex, a US$ 31,70 o barril. Em Sydney, a aérea Qantas encerrou o pregão com queda de 8,91%. 
 

China

Os índices acionários da China tombaram junto com os mercados globais nesta quinta diante do aprofundamento das preocupações cobre o impacto econômico do coronavírus depois que os Estados Unidos suspenderam viagens da Europa, embora as perdas não tenham sido tão pesadas como em outros mercados asiáticos.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, caiu 1,92%, enquanto o índice de Xangai teve queda de 1,52%. Ambos fecharam nos menores níveis desde 28 de fevereiro, perto da mínima de duas semanas.

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou uma suspensão temporária a viagens para a Europa, excluindo o Reino Unido, para conter a disseminação do vírus que agora foi declarado pandemia pela Organização Mundial de Saúde.

Trump anunciou outras medidas para sustentar as empresas norte-americanas e promover o crescimento, mas alguns investidores não se mostraram convencidos de que a economia global pode se recuperar rapidamente conforme crescem as preocupações de que o número de infecções pode aumentar rapidamente em todo o mundo.

“Os mercados estão muito nervosos. Estamos potencialmente olhando para uma recessão”, disse Carlos Casanova, economista do Coface.

—Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 4,41%, a 18.559 pontos.

— Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 3,66%, a 24.309 pontos.

— Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 1,52%, a 2.923 pontos.

— O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 1,92%, a 3.950 pontos.

— Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 3,87%, a 1.834 pontos.

— Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 4,33%, a 10.422 pontos.

— Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 3,77%, a 2.678 pontos.

— Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 recuou 7,36%, a 5.304 pontos.Na Bolsa de Valores de Nova York, o índice Dow Jones despencou acentuadamente nessa quarta-feira. Uma agitada ordem de vendas surgiu logo após a Organização Mundial da Saúde ter declarado o novo coronavírus como pandemia global.

Dow Jones

O Dow Jones fechou o dia em 23.553 pontos, ou seja, com 1.464 pontos a menos do que no dia anterior, o que representa baixa de 5,8%. Esta foi a segunda maior queda em um único dia depois das perdas registradas na segunda-feira (9).

Em determinado momento, o índice teve uma queda súbita de aproximadamente 1.700 pontos em meio à declaração de pandemia. Via R7.com.