Bolsonaro pede desculpas e diz que vídeo das hienas foi “um erro”

Após a intensa repercussão do vídeo do leão e das hienas divulgado na segunda-feira (29/10/2019) em sua conta oficial no Twitter, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) declarou que a publicação foi um “erro” e se desculpou publicamente com o Supremo Tribunal Federal (STF). A fala foi dada em entrevista exclusiva ao Estadão – depois, em coletiva com outros veículos de imprensa em Riade, capital da Arábia Saudita, onde está em viagem oficial, ele não quis comentar o caso.

“Me desculpo publicamente ao STF, a quem por ventura ficou ofendido. Foi uma injustiça, sim, corrigimos e vamos publicar uma matéria que leva para esse lado das desculpas. Erramos e haverá retratação”, afirmou Bolsonaro, segundo quem “ninguém (da sua equipe) percebeu com atenção que tinham alguns símbolos que apareciam por frações de segundos”.

No vídeo, Bolsonaro é identificado como um leão e está cercado de hienas representando o STF; o partido dele, o PSL; entre outras instituições e movimentos. Ao postá-lo, o presidente fez referência a países da América Latina que passam por agitações políticas, como Chile, Peru e Equador, e a vitórias eleitorais de políticos identificados à esquerda, como na Argentina e na Bolívia.

Contra as “hienas”, chega, ao fim da montagem, um outro leão que, identificado como “conservador patriota”, chega para ajudar o “presidente”. “Vamos apoiar o nosso presidente até o fim! E não atacá-lo! Já tem oposição para fazer isso”, diz a legenda ao final do vídeo.

O presidente disse ainda que o vídeo foi retirado do ar, cerca de duas horas após a publicação, porque eles “perceberam que estavam sendo injustos”. “Retiramos e falei que o foco são as nossas viagens”, completou. A montagem, garantiu, não foi feita pela sua equipe.

Bolsonaro também foi perguntado se o filho, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), foi responsável pela postagem, e disse não ser possível culpá-lo. “A responsabilidade final é minha. O Carlos foi um dos grandes responsáveis pela minha eleição e é comum qualquer coisa errada em mídias sociais culpá-lo diretamente. A responsabilidade é minha, tem mais gente que tem a senha e não sei por que passou despercebido essa matéria aí.”

O vídeo causou intensa repercussão e críticas inclusive no STF: na segunda-feira, o ministro Celso de Mello declarou que “se verdadeiro”, mostra que “o atrevimento presidencial parece não encontrar limites na compostura que um Chefe de Estado deve demonstrar”. Via Metrópoles.

Comentários no Facebook