Brexit: Boris Johnson pede suspensão do Parlamento até outubro

OXFORD, INGLATERRA - 13 DE AGOSTO: O ex-ministro das Relações Exteriores britânico Boris Johnson chega a sua casa rural em 13 de agosto de 2018 em Oxford, Inglaterra. Uma investigação deve ser feita após os comentários de Burka, de Boris Johnson, e o Conselho Muçulmano do Reino Unido teria pedido ao primeiro-ministro que se certificasse de que o inquérito fosse levado a sério e não se tornasse um "cal". Johnson havia dito anteriormente que as mulheres nas burcas pareciam "caixas de correio" ou "ladrões de banco". (Foto de Jack Taylor / Getty Images)

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou nesta quarta-feira (28/08/2019) que pediu à rainha Elizabeth II permissão para fechar o Parlamento por várias semanas antes de 31 de outubro, data final para o chamado Brexit, processo para a retirada do país da União Europeia.

A iniciativa de Johnson torna mais difícil que parlamentares consigam aprovar leis que evitem um Brexit sem acordo.

O premiê britânico quer suspender o Parlamento a partir de 11 de setembro e programar o chamado Discurso da Rainha – para apresentar planos do governo – para 14 de outubro, marcando a volta dos trabalhos legislativos.

“Precisamos seguir em frente com nossa agenda doméstica e é por isso que estamos anunciando o Discurso da Rainha para 14 de outubro”, disse Johnson à imprensa britânica.

A libra reagiu em forte baixa ao gesto de Johnson. Às 7h55 (de Brasília), a moeda britânica recuava a US$ 1,2207, de US$ 1,2287 no fim da tarde de ontem, após atingir mais cedo a mínima intraday de US$ 1,2155.

Apesar de críticas de que o Parlamento não terá condições de tentar evitar um Brexit sem acordo, Johnson disse que haverá “bastante tempo” para os legisladores debaterem o Brexit.

Para Anna Soubry, líder do partido Grupo Independente pela Mudança, Johnson está “deliberadamente fechando o Parlamento para impedir que os representantes eleitos do povo façam” seu trabalho. Com informações da Dow Jones Newswires. As informações são do Metrópoles.

Comentários no Facebook