Com bombas de gás, PM retira famílias que ocupavam antigo Hospital Couto Maia

Cerca de 100 famílias que ocupavam a 21 dias a antiga sede do Hospital Couto Maia, no bairro de Monte Serrat, em Salvador, foram retiradas do local na manhã desta sexta-feira (20) pela Polícia Militar. “Despejaram a gente. Pegaram todos no sono. Foi muito rápido. Colocaram gás lacrimogêneo. Estão querendo levar uma parte de nossas coisas para um galpão”, relatou um dos moradores da ocupação ao portal Correio. 

O prédio do antigo Couto Maia,  onde funcionará o primeiro hospital de Cuidados Paliativos da Bahia,  estava ocupado desde o dia 30 de novembro. 

Em nota, o Governo do Estado informou que desde o dia do início da ocupação ‘negociava a saída dessas pessoas do prédio público, que armazena cerca de R$ 25 milhões em equipamentos e materiais cirúrgicos utilizados pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) para realização dos Mutirões de Cirurgias’. 

O prédio do antigo Couto Maia está em processo licitatório para reforma e adaptações para implantação do Hospital Estadual de Cuidados Paliativos. 

Dentre as famílias que estavam no local, segundo o governo do estado informou em nota,  25 são beneficiadas com o Aluguel Social, custeado pelo próprio governo. “Elas aguardam, dentro do prazo de entrega ainda vigente, as suas unidades habitacionais, asseguradas durante o processo de negociação pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano (Sedur). Assistentes sociais desta secretaria realizaram o levantamento situacional das demais famílias, acompanhados pelas lideranças do movimento, a fim de possibilitar a inclusão delas no Cadastro Estadual da Casa da Gente”, destacou o governo. 

Na nota, o governo informou que a desocupação foi ‘uma ação pacífica com apoio da Polícia Militar da Bahia’. Em contato com o CORREIO, a Secretaria de Comunicação Social do Governo do Estado informou que ‘não houve uso de bomba na operação do Couto Maia’ ao contrário do que informaram os moradores. Informações do Correio.

Comentários no Facebook