Com maior nº de desempregados em 9 anos, taxa de desocupação na BA bate recorde e vai a 21,3% no 1º trimestre de 2021

Uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (27), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), apontou que a taxa de desocupação na Bahia foi de 21,3%, no 1º trimestre de 2021. O índice quebrou o recorde de 2020 e ficou no maior patamar em nove anos – desde o início da série histórica, em 2012.

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) trimestral, a taxa de desocupação na Bahia foi a maior do país, empatada Pernambuco (21,3%). O índice está bem acima do indicador nacional, que ficou em 14,7%, também um recorde histórico.

A taxa de desocupação mede a proporção de pessoas de 14 anos ou mais de idade que estão desocupadas (não trabalharam e procuraram trabalho), em relação ao total de pessoas que estão na força de trabalho, seja trabalhando (pessoas ocupadas) ou procurando (desocupadas).

Bahia registrou 21,3% de desocupação, no primeiro trimestre de 2021 — Foto: Divulgação/IBGE
Bahia registrou 21,3% de desocupação, no primeiro trimestre de 2021 — Foto: Divulgação/IBGE

Ainda segundo o IBGE, o novo recorde na taxa de desocupação na Bahia foi resultado principalmente do aumento da população desocupada, ou seja do maior número de pessoas que não estavam trabalhando e passaram a procurar trabalho no estado.

Em números absolutos, esse contingente chegou a 1,386 milhão de pessoas no 1º trimestre deste ano, o maior em nove anos. O aumentou foi de 6,9% em relação ao último trimestre do ano passado (+90 mil desocupados) e 5,7% em relação ao 1º trimestre de 2020 (+75 mil desocupados).

Além alto índice de desocupação, o número de pessoas trabalhando, seja em ocupações formais ou informais (população ocupada), voltou a cair no 1º trimestre de 2021, após ter registrado uma leve alta no fim do ano passado.

Entre janeiro e março, os ocupados somaram 5,135 milhões no estado. Isso representou menos 53 mil trabalhadores do que no 4º trimestre de 2020 (-1,0%) e uma retração de 9,9% frente ao 1º trimestre do ano passado. Ou seja, em um ano de pandemia, 565 mil pessoas deixaram de trabalhar na Bahia.

A pesquisa do IBGE destacou ainda que, além da perda de trabalho, que frequentemente leva à busca por um novo, o aumento da desocupação no 1º trimestre de 2021 também se deveu a um discreto movimento de retorno de parte das pessoas que estavam fora da força de trabalho.

A população fora da força de trabalho no estado ficou em 5,847 milhões no 1º trimestre de 2021, 0,9% menor que no fim de 2020 (-53 mil pessoas), mas ainda significativamente maior do que a verificada antes da pandemia (+16,2%), com mais 816 mil pessoas nessa condição, frente ao 1º trimestre de 2020.

Desalentados

Dentre os que estão fora da força de trabalho, os desalentados se reduziram um pouco, em relação ao 4º trimestre de 2020. A população desalentada é aquela que não está trabalhando nem procurando trabalho por uma das seguintes razões: não conseguia trabalho, não tinha experiência, era muito jovem ou idosa ou não encontrou trabalho na localidade. Entretanto, se conseguisse trabalho, estaria disponível para assumir a vaga.

Nos três primeiros meses de 2021, 786 mil pessoas estavam desalentadas na Bahia. O número era 3,4% menor do que o do final de 2020 (-28 mil desalentados), mas ainda ficava discretamente acima do verificado antes da pandemia, com mais 7 mil pessoas nessa condição frente ao 1o trimestre de 2020 (+0,9%).

A Bahia tem o maior número absoluto de desalentados do país ao longo de toda a série da PNAD Continua, desde 2012. No 1º trimestre de 2021, no Brasil, havia 5,970 milhões de desalentados, número recorde para o país, com aumentos tanto frente ao 4o trimestre de 2020 (+3,1% ou +182 mil pessoas) quanto frente ao 1o trimestre de 2020 (+25,1% ou +1,2 milhão de pessoas).

Variação positiva entre trabalhadores por conta própria

O IBGE destacou também, que frente ao 4 trimestre de 2020, a ocupação só teve variação positiva entre trabalhadores por conta própria (+38 mil) e empregados sem carteira (+8 mil)

Frente ao mesmo período de 2020, no 1º trimestre de 2021, o saldo no número de pessoas ocupadas na Bahia ficou negativo para todas as formas de inserção no mercado de trabalho, o que significa que, ao final do período, houve mais saídas do que entradas.

Em termos absolutos, nessa comparação, o saldo mais negativo foi verificado entre os empregados no setor privado, com carteira assinada: passaram de 1,462 milhão no 1º trimestre de 2020 para 1,271 milhão no 1º trimestre de 2021 (-192 mil pessoas ou -13,1%).

Em seguida, vieram os trabalhadores domésticos sem carteira assinada, que passaram de 308 mil para 226 mil (-82 mil ou -26,7%, queda percentual mais profunda), nessa comparação anual.

Já na comparação entre o 1º trimestre de 2021 e o 4º trimestre de 2020, apesar de, no total, a população ocupada ter se reduzido (-53 mil pessoas), houve discretos aumentos no número dos que trabalhavam por conta própria (de 1,574 milhão para 1,613 milhão, +38 mil ou +2,4%) e entre os empregados sem carteira assinada (de 886 mil para 894 mil, +8 mil ou +0,9%).

Com isso, o número de trabalhadores informais na Bahia teve um leve aumento entre o 4º trimestre de 2020 e o 1º trimestre de 2021, passando de 2,742 milhões para 2,762 milhões (+20 mil). A variação não foi estatisticamente significativa, mostrando uma estabilidade nesse contingente de trabalhadores, que representavam 53,8% de toda a população ocupada no estado, nos três primeiros meses do ano.

Ainda assim, frente ao 1º trimestre de 2020, quando somavam 3,016 milhões de trabalhadores, o número de informais na Bahia caiu 8,4%, com menos 254 mil pessoas trabalhando dessa forma no estado, em um ano.

São considerados informais os empregados e trabalhadores domésticos que não têm carteira assinada, os trabalhadores por conta própria ou empregadores sem CNPJ e as pessoas que trabalham como auxiliares em algum negócio familiar.

dados das pessoas desalentadas na Bahia — Foto: Divulgação/IBGE
dados das pessoas desalentadas na Bahia — Foto: Divulgação/IBGE

Queda do nº de trabalhadores nos setores de alimentação e alojamento

Do 4º trimestre de 2020 para o 1º trimestre de 2021, o número de trabalhadores caiu mais nos setores de alimentação e alojamento (-52 mil) e transportes (-48 mil). Houve no período diminuição do número de pessoas trabalhando em cinco dos 10 grupamentos de atividade investigados na Bahia.

Alojamento e alimentação (-52 mil pessoas) e transporte, armazenagem e correio (-48 mil pessoas) tiveram os saldos mais negativos e as maiores quedas percentuais (-16,8% e -16,5%, respectivamente).

Por outro lado, os setores de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (+84 mil pessoas ocupadas, ou +9,1%) e outros serviços (+27 mil, ou +12,2%) tiveram os maiores saldos positivos nessa comparação.

Já em relação ao 1º trimestre de 2020, oito dos 10 grupamentos de atividade mostram saldo negativo de trabalhadores.

Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais teve a maior queda absoluta (-143 mil ou -13,0%). Em seguida veio a indústria em geral (-103 mil ou -20,4%) e, empatados em terceiro lugar, alojamento e alimentação (-97 mil trabalhadores ou -27,4%, maior recuo percentual) e serviços domésticos (-97 mil ou -25,3%, segundo recuo percentual mais intenso).

Os dois únicos saldos positivos nesse confronto anual ficaram com as atividades agropecuárias (+75 mil trabalhadores ou +8,0%) e com os transportes (+4 mil ou +1,8%).

Dados da desocupação na Bahia divididos por indicadores — Foto: Divulgação/IBGE
Dados da desocupação na Bahia divididos por indicadores — Foto: Divulgação/IBGE

Rendimento médio dos trabalhadores também caiu

O rendimento médio real (descontados os efeitos da inflação) mensal habitualmente recebido por todos os trabalhos na Bahia ficou em R$ 1.597. Foi o terceiro mais baixo entre as 27 unidades da Federação, acima apenas dos registrados no Maranhão (R$ 1.484) e Piauí (R$ 1.569).

O valor mostrou queda tanto frente ao 4º trimestre de 2020, que havia sido de R$ 1.652 (menos R$ 56 ou -3,4%), quanto na comparação com o valor do 1º trimestre de 2020, que havia sido de R$ 1.742 (menos R$ 145 ou -8,3%).

Com os leves recuos no número de trabalhadores e no rendimento médio, a massa de rendimento real habitual de todos os trabalhos, na Bahia, também caiu e ficou em R$ 7,885 bilhões no 1º trimestre deste ano.

Atingiu, assim, seu menor valor em nove anos, desde o início da serie histórica da PNAD Contínua Trimestral, em 2012, ficando 4,6% abaixo do 4º trimestre de 2020 e recuando 17,8% em um ano (frente ao 1º trimestre de 2020).

A massa de rendimento é a soma dos rendimentos de trabalho de todas as pessoas ocupadas. Indica o volume de dinheiro em circulação.

Fonte: G1.