Corpo de miliciano morto na Bahia está apodrecendo, diz IML do Rio

Foto: Reprodução

O Instituto Médico Legal (IML) comunicou à Justiça do Rio que o cadáver do miliciano Adriano da Nóbrega Magalhães está em más condições de conservação. O ex-capitão da PM carioca foi morto no dia 9 de fevereiro, em Esplanada, no interior da Bahia.

O documento obtido pelo G1 foi assinado pela perita Luciana Lima na segunda-feira (17). O manuscrito diz que o corpo de Adriano já deu entrada no IML “após iniciados os fenômenos de putrefação”.

Ainda conforme informado, o Instituto Médico não possui recursos para congelamento em câmaras, por isso, é possível apenas fazer a refrigeração dos corpos, retardando a decomposição.

Ofício aponta falta de equipamento de congelamento | Foto: Reprodução | G1
Ofício aponta falta de equipamento de congelamento | Foto: Reprodução | G1

Polêmica

Foragido da Justiça do Rio de Janeiro e investigado por diversos crimes, Adriano Magalhães da Nóbrega foi morto após ser localizado pela polícia da Bahia e do Rio. Desde então, a morte do ex-PM é cercada por polêmica e acusações acerca do modus operandi realizado por mais de 70 policiais.

De acordo com informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP), Equipes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), da Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe) Litoral Norte e da Superintendência de Inteligência (SI) da Secretaria da Segurança Pública localizaram o ex-policial militar em um imóvel na zona rural do município.

Ainda segundo a SSP, no momento do cumprimento do mandado de prisão, Adriano Magalhães da Nóbrega resistiu com disparos de arma de fogo e terminou ferido. Ele chegou a encaminhado para um hospital da região, mas não resistiu aos ferimentos. Via Portal A Tarde.

Comentários no Facebook