Durante isolamento social, qualidade de água em trecho de praia de Salvador muda de boa para excelente, aponta estudo

Durante esse período de isolamento social, a qualidade da água no trecho de praia entre o Cristo e o Porto da Barra, em Salvador, passou de boa para excelente. A informação foi apontada por um estudo da Faculdade de Biologia da Universidade Federal da Bahia (Ufba).

Para chegar ao resultado, os pesquisadores analisaram amostras de água que foram coletadas em dezembro do ano passado, com amostras coletadas no inicio deste mês.

“Nós medimos o PH, que é o indicador de acidez. Quando a água do mar é ácida, é prejudicial para gente. Então, nós vimos que o PH no mês de dezembro, quando nós medimos, era de 8.1. Agora, na medição que fizemos no início deste mês, ele está em 8.4, indicando que houve uma redução da acidez. Isso é um dado muito bom”, disse Francisco kelmo, diretor do Instituto de Biologia da Ufba.

“Nós medimos também a quantidade de coliformes. A contagem do mês de dezembro foi uma média de 206 colônias dessa bactéria presente na água que a gente amostrou. Agora, nessa nossa última medida, foram seis colônias. Foi uma redução muito grande”, completou Kelmo.

Francisco kelmo, diretor do Instituto de Biologia da Ufba, fala sobre estudo.  — Foto: Reprodução / TV Bahia
Francisco kelmo, diretor do Instituto de Biologia da Ufba, fala sobre estudo. — Foto: Reprodução / TV Bahia

Antes, a situação era diferente porque muitas pessoas descartavam lixos na areia e também no mar. O biólogo Tiago Freitas, que atua em um projeto de despoluição das praias, conta que ele já achou produtos diversos nas praias.

“Preservativos, infelizmente, são muitos comuns e frequentes. Plásticos, com uma certa variedades, metal, porta de geladeira, fogão industrial já foi encontrado também, infelizmente. Pneus”, contou.

Apesar disso, dados da Empresa de Limpeza Urbana de Salvador (Limpurb) revelam que houve uma queda de quase 40% na quantidade de lixo retirado das praias da capital baiana durante o mês de maio, quando comparado com o mesmo período do ano passado.

Vale lembrar que por causa da pandemia da Covid-19, o acesso às praias da capital baiana está proibido há quase três meses. Informações do G1.

Comentários no Facebook