Governo vai ampliar atendimentos de saúde e começará vacinação da gripe no dia 23

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, apresenta na Comissão de Assuntos Sociais do Senado, informações sobre as políticas e diretrizes de sua pasta, bem como a proposta de extinção do Programa Mais Médicos.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que o governo prevê a ampliação de 1,5 mil para 6,7 mil atendimentos de saúde no programa Saúde na Hora, com horário de atendimento estendido. Segundo ele, 90% dos casos podem ser atendidos nesse ponto, o que vai beneficiar 40 milhões de brasileiros.

Mandetta participa neste momento da comissão geral que discute as ações preventivas da vigilância sanitária e possíveis consequências para o Brasil no enfrentamento do coronavírus (Covid-19).

O ministro disse que, até 18 de março, todos os estados estarão aptos a fazer os exames laboratoriais de diagnóstico do coronavírus. Ele destacou que a maioria dos casos é de baixa gravidade e que a atenção maior é com idosos e pessoas com doenças crônicas. Ele confirmou ainda que o governo vai antecipar para 23 de março o início da campanha de vacinação contra gripe.

Isolamento
Além disso, será publicada uma norma para definir o que é isolamento e o que é quarentena, para unificar o tratamento dos casos suspeitos e notificados em todo o País. O governo também comprou máscaras e outros equipamentos para profissionais de saúde e vai aumentar o número de médicos na atenção básica.

“É hora de organizar as redes hospitalares e rever os planos de contingência – por exemplo, avaliar a conveniência de cirurgias eletivas como bariátrica ou cirurgia plástica”, disse o ministro.

Fake news
Mandetta afirmou ainda que o governo está buscando frear as notícias falsas (fake news) sobre a doença. “A página do Ministério da Saúde procura retratar o que é falso ou não”, disse.

Ele pontuou outras medidas tomadas pelo governo:

– criação do conselho interministerial para ações dos demais ministérios;

– orientação à sociedade para medidas de prevenção, como lavagem de mãos e etiqueta respiratória;

– orientação sobre comunicação e sensibilização da rede de saúde pública e privada para identificação e notificação dos casos em estados e municípios;

– orientação de automonitoramento das pessoas que tiveram contato próximo com caso confirmado e estão assintomáticas

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Comentários no Facebook