Interpol alerta para crimes ligados à vacina contra o novo coronavírus

Foto: Javier Cebollada / EFE - EPA - Arquivo

A Interpol divulgou nesta quarta-feira (2) uma mensagem de alerta aos 194 países afiliados, para que se preparem para uma possível atividade criminosa relacionada às vacinas contra o novo coronavírus.

Em um alerta laranja, a agência policial internacional aponta que existe o risco de falsificações, roubos e propaganda ilegal.

A informação foi distribuída no dia em que o Reino Unido anunciou a aprovação, por parte da Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos para a Saúde (MHRA) da vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pelas companhias farmacêuticas Pfizer e BioNTech.

Cuidado com a internet

A Interpol aponta que será fundamental a identificação de sites da internet que vendem produtos piratas, assim como a coordenação entre os órgãos de saúde e os encarregados pelo cumprimento das leis.

O secretário geral da agência policial, Jürgen Stock, admitiu que investidas já estão sendo preparadas para a realização dos delitos.

“As organizações criminosas planejam se infiltrar ou perturbar as cadeias de distribuição”, indicou.

Além das vacinas, a Interpol acredita que os testes de detecção do novo coronavírus também serão alvo da produção e da distribuição paralela de produtos não autorizados e falsificados, à medida que as viagens internacionais forem restabelecidas.

Sua mensagem de alerta também é direcionada ao público, para tomar um cuidado especial ao se conectar na internet para procurar medicamentos e equipamentos médicos.

Uma análise recente da Unidade de Crimes Cibernéticos da Interpol descobriu que, de 3 mil sites de farmácias suspeitos de vender produtos ilícitos, cerca de 1,7 mil estavam usando dispositivos de fraude, incluindo softwares para roubar dados. Da Agência EFE.

Comentários no Facebook