Lava Jato teria ignorado fraude dita por Cunha em processo de cassação

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Procuradores da força-tarefa da Lava Jato teriam optado por não seguir com uma denúncia de manipulação na escolha do relator do processo de cassação de Eduardo Cunha (MDB-RJ), ex-presidente da Câmara dos Deputados. Apesar disso, segundo diálogos, os integrantes do Ministério Público Federal (MPF) a consideravam importante.

O relato da suposta fraude teria sido feito pelo próprio ex-deputado ao propor delação premiada, que não foi aceita pelo MPF, como apontam mensagens do telegrama obtidas pelo site The Intercept Brasil e analisadas em conjunto com o UOL, divulgadas nesta terça-feira (10/09/2019). Os diálogos fazem parte do arquivo da Vaza Jato.

Segundo a reportagem, o emedebista teria acusado o ex-presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PR-BA) por indicar um relator mais favorável a ele próprio. Assim, com o suposto “falso sorteio”, Fausto Pinato (PP-SP) foi o escolhido. Ambos negam a existência da fraude.

“Realmente esse é um fato que talvez não devesse ser sonegado da sociedade. Isso mostra/expõe como ainda somos um país subdesenvolvido, em que os políticos estão tão distantes da realidade”, teria dito o procurador da Lava Jato, Orlando Martello, ao analisar a suposta fraude na relatoria.

Acordo Cunha
O grupo “Acordo Cunha” foi criado, de acordo com a reportagem, por um procurador da Procuradoria-Geral da República (PGR) em junho de 2017, quando o advogado de Eduardo Cunha, Délio Lins e Silva Júnior, trouxe uma oferta de colaboração premiada.

A maioria dos procuradores teria se manifestado contra a tratativa de acordo com Cunha. Orlando Martello foi uma das exceções.

A proposta de delação, por fim, foi rejeitada. Mas parte do grupo de procuradores defendia manter as negociações abertas com Cunha. “Há vários fatos que o Cunha esclarece enquanto que [o doleiro Lúcio] Funaro [que fechou colaboração semanas depois] não consegue, por não dominar a história toda”, teria ponderado Anselmo Lopes, procurador em Brasília.

A rejeição à denúncia de Cunha se deu, segundo a reportagem, porque ele não tratou de outras pessoas e fatos de interesse do Ministério Público. Os procuradores queriam informações e acusações sobre Carlos Marun (MDB-MS), ex-ministro da Secretaria de Governo de Michel Temer (MDB), autoridades do Judiciário do Rio de Janeiro, fatos de suposta compra de votos para a eleição à Presidência da Câmara e repasses de dinheiro feitos pelo lobista Júlio Camargo e pelo empresário Joesley Batista, da JBS.

Além disso, Cunha também “concorria” com a colaboração premiada do doleiro Lúcio Funaro, em negociação na mesma época. Os procuradores avaliavam se era necessário fechar acordo com um ou com  os dois. As informações são do Metrópoles.

Comentários no Facebook