Ministério da Saúde vai recontar número de mortos pela covid-19

Coronavirus-Covid-19 - Movimentação de ambulâncias, pacientes, enfermeiros, bombeiros e socorristas no Hospital Regional da Asa Norte, local de referência para paciebtes com a Covid-19. Sérgio Lima/Poder360 04.04.2020

O Ministério da Saúde pretende fazer uma recontagem do número de mortes no Brasil por covid-19. Carlos Wizard, que vai assumir a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, afirmou a O Globo que os dados atuais são, em sua opinião, “fantasiosos ou manipulados”.

Wizard, que já está despachando na pasta, disse à coluna de Bela Megale que o número estaria inflado. Pesquisas indicam o contrário – que há uma grande subnotificação, que era admitida em outras gestões da pasta durante a pandemia.

“Tinha muita gente morrendo por outras causas e os gestores públicos, puramente por interesse de ter um orçamento maior nos seus municípios, nos seus estados, colocavam todo mundo como covid. Estamos revendo esses óbitos”, diz Wizard.

“Eu acredito que vai ter um dado mais real, porque o número que temos hoje está fantasioso ou manipulado”, continua. Ele contou ainda que estava no grupo que tomou a decisão de rever este levantamento e que um novo balanço atualizado deve ser divulgado em um mês. Os dados atuais são colhidos juntos às secretarias estaduais. 

Na sexta (5), o governo Jair Bolsonaro não divulgou o número total de mortos e contaminados pelo novo coronavírus no boletim do Ministério da Saúde. Essas informações estavam em todos os boletins até agora. O site que continha os dados também saiu do ar.

Nessa última semana, o governo passou a atrasar a divulgação do boletim, para evitar que ele fosse noticiado nos telejornais de horário nobre, como o Jornal Nacional. O próprio presidente citou o JN ao comentar ontem o caso, embora não tenha confirmado que a ordem para divulgar o boletim mais tarde tenha partido dele. “Acabou matéria do Jornal Nacional”, disse Bolsonaro, afirmando que ninguém devia correr para “atender a Globo”.

Ele disse que o boletim divulgado mais tarde sai com dados “mais consolidados”, embora anteontem o horário de fechamento dos dados tenha sido 19h e mesmo assim a divulgação aconteceu por volta das 22h. Na gestão de Luís Henrique Mandetta, os dados eram divulgados às 17h. Depois, passaram para 19h. Agora, saem entre 21h e 22h.

As emissoras têm driblado a ausência de informação do Ministério da Saúde usando diretamente os dados das secretarias estaduais. Ontem, a Globo fez um plantão interrompendo a programação para anunciar os dados do boletim do governo federal, divulgados novamente após o JN. Informações do Correio.

Comentários no Facebook