Pastores vão a júri popular por morte de Lucas Terra, decide STF

Foto: Reprodução

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, no final da tarde de ontem (17), que os pastores Joel Miranda e Fernando Aparecido da Silva vão a júri popular pelo assassinato do adolescente Lucas Terra, ocorrido em 2001. Agora, todos os recursos do processo foram esgotados. As informações são da TV Bahia.

Em novembro do ano passado, o ministro Ricardo Lewandowski havia anulado o processo contra os pastores por falta de provas, mas o Ministério Público Federal recorreu da decisão. Quatro ministros votaram a favor do recurso: Gilmar Mendes, Edson Fachin, Carmen Lúcia e Celso de Mello. Apenas Lewandowski foi contrário.

Segundo o promotor Davi Gallo, a decisão do STF virá para o 2º juízo da 2ª Vara do Tribunal do Júri. “O entendimento do Ministério Público prevaleceu em todos os juízos. Depende só da juíza Andrea Sarmento marcar o júri. Vou entrar em contato com ela amanhã”, informou, à TV Bahia.

Caso

O assassinato do adolescente Lucas Vargas Terra aconteceu em março de 2001, dentro de um templo da Igreja Universal do Reino de Deus, no bairro do Rio Vermelho, na capital baiana. Na época, a vítima tinha 14 anos e foi estuprada antes de ser queimada viva.

Os suspeitos do crime foram apontados como sendo os pastores Joel Miranda, Fernando Aparecido da Silva e Silvio Roberto Galiza. O pai da vítima apontou como motivo para o crime o fato de seu filho ter flagrado Joel e Fernando durante ato sexual.

Em 2012, Galiza foi condenado a 18 anos de prisão, pena que depois foi reduzida para 15 anos. Via Metro1.

Comentários no Facebook