Pelo 3º ano, Bahia é o estado com mais mortes violentas de homens jovens, diz IBGE

Foto: Ilustrativa

Após quatro anos de altas consecutivas, o número de mortes de homens entre 15 e 24 anos de idade por causas externas ou violentas (homicídios, suicídios, acidentes de trânsito, afogamentos, quedas acidentais etc.) registrou queda de 6,5% na Bahia, segundo dados divulgados hoje (4) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foram 3.206 óbitos em 2018, ante 3.430 registros no ano anterior. Mesmo assim, o estado ainda é líder nacional nesse indicador, pelo terceiro ano seguido.

Desde 2015, a Bahia tem o maior número absoluto de homens jovens mortos por causas não naturais no país. Em segundo lugar fica São Paulo, o estado brasileiro mais populoso, onde, por outro lado, o número de homens jovens mortos por causas externas ou violentas tem apresentado quedas sucessivas no período, chegando a 2.690 em 2018.

O resultado da Bahia vai na contramão do visto em todo o país: frente a 2017, o número de homens de 15 a 24 anos mortos por causas violentas caiu no Brasil como um todo (de 27.596 para 24.031, menos 3.565 mortes ou -12,9%) e em 22 dos 27 estados.

Ainda segundo o IBGE, a chance de um homem de 20 anos não chegar aos 25 anos na Bahia é quase 16 vezes maior que a de uma mulher: em 2018, enquanto 1.870 homens de 20 a 24 anos de idade morreram por causas externas ou violentas no estado, 118 mulheres tiveram o mesmo destino. Ou seja, 15,8 homens de 20 a 24 anos morreram por causas externas ou violentas para cada mulher na mesma faixa etária.

A taxa de sobre mortalidade é maior que a registrada no país como um todo: em 2018, um indivíduo do sexo masculino de 20 anos tinha, aproximadamente, 11 vezes mais chance de não completar os 25 anos do que um indivíduo do sexo feminino. Informações do Metro1.

Comentários no Facebook