Petrobras diz que greve com adesão na BA não atende a condições legais

Foto: Divulgação

Após anúncio de greve nacional do funcionários da Petrobras, com adesão na Bahia, a partir de sábado (1º), a estatal afirmou, por meio de nota, que a paralisação não atende aos requisitos legais. 

Conforme a empresa, diferentemente do que dizem os sindicatos dos trabalhadores, todos os compromissos assumidos na negociação do acordo de trabalho para 2019 e 2020 são “integralmente cumpridos”.

A Petrobras ainda diz que considera “descabido” o movimento grevista, anunciado pela Federação Única dos Petroleiros (FUP), pois as justificativas seriam “infundadas” e não preencheriam “os requisitos legais” para o exercício do direito de greve.

A empresa afirmou que foi notificada anteontem (28), pelas lideranças de 11 sindicatos ligados à FUP, sobre a intenção de greve a partir do dia 1º. 

“É importante lembrar que a Petrobras e as entidades sindicais concluíram recentemente, em novembro de 2019, uma longa negociação para o Acordo Coletivo de Trabalho 2020, tendo como resultado, além da assinatura do próprio ACT, a criação desses fóruns para discussão de temas relevantes para os empregados. Ao anunciar mais um movimento grevista – em novembro e dezembro de 2019 também houve paralisação -, as entidades sindicais não demonstram intenção de buscar consenso e avançar por meio do diálogo”, diz a estatal.

A Petrobras reitera ainda sua boa-fé negocial e sustenta que permanece disposta a analisar as propostas que venham a ser recebidas dos sindicatos, nos termos e prazos acordados no TST. “Reiteramos, ainda, o compromisso absoluto da companhia com a segurança das operações e o respeito às pessoas e ao meio ambiente; assim como o compromisso com o abastecimento ao mercado”, conclui a empresa. Informações do Metro1.

Comentários no Facebook