Caminhoneiros fazem carreatas e alertam para greve

Caminhoneiros do Paraná e São Paulo fizeram carreatas neste fim de semana na região metropolitana de Curitiba e na Via Dutra, entre Jacareí e São José dos Campos, interior de São Paulo.

No Paraná, a manifestação foi promovida por sindicatos de caminhoneiros, e mobilizou cerca de 40 caminhões, que reivindicaram a fiscalização da tabela do frete e a diminuição do preço do diesel, mesma pauta da greve que parou o país em maio de 2018.

Na Via Dutra, no Vale do Paraíba, em São Paulo, o protesto reuniu cerca de 20 caminhões e carretas, muitos com faixas de protesto contra preço do diesel e o governo.

O protesto, de abrangência nacional, acontece em vários pontos do país, e soou como alerta para uma possível uma nova greve.

BOLSONARO DECLARA “AMOR AOS CAMINHONEIROS”

De olho na insatisfação dos caminhoneiros, o presidente Jair Bolsonaro mandou nesta quinta-feira, 28 de março, um recado direto à categoria em uma transmissão no Facebook. Relembre: Bolsonaro grava vídeo com promessas para caminhoneiros

Além de destacar a nova política de preços do diesel da Petrobras, Bolsonaro afirmou que adotará novas medidas: “Caminhoneiros, parabéns a vocês. E, com certeza, novas medidas serão adotadas semana que vem”.

O pronunciamento de Bolsonaro, ao contrário do pretendido, não foi aceito pelos caminhoneiros, que reclamam uma posição mais contundente quanto às principais reivindicações da categoria, como a fiscalização da tabela de frete mínimo e a redução do custo com o diesel.

Nos grupos de WhatsApp da categoria têm havido recorrentes chamados para uma nova paralisação. Na pauta de reivindicações, além do piso mínimo da tabela de frete e do preço do óleo diesel, os caminhoneiros reivindicam a construção de mais estruturas para paradas de descanso ao longo das estradas.

No vídeo direcionado aos caminhoneiros, Bolsonaro lembrou que esteve ao lado da paralisação em 2018 quando ainda era pré-candidato

Bolsonaro lembrou ainda da nova política anunciada pela Petrobras nesta semana, estipulando prazo mínimo de quinze dias para reajustes do preço do diesel. Relembre: Petrobras congela preço do diesel por 15 dias

Com a escalada dos preços internacionais, o preço do diesel já subiu 18,5% em 2019, na comparação com o último valor de 2018. Nas bombas, que é o que importa aos caminhoneiros, o aumento foi menor, de 2,5%, o que tem contribuído para a insatisfação dos motoristas.

Bolsonaro adiantou ainda que será criado um cartão pré-pago para a compra de diesel: “O caminhoneiro reclamava que pegava o frete até Porto Alegre e, na volta, havendo a recomposição do preço do diesel, parte ou todo o dinheiro que tinha recebido era engolido pelo novo preço do combustível”.

O cartão começará a funcionar em até 90 dias.

Segundo o presidente, o caminhoneiro poderá carregar o cartão com um valor equivalente a 500 litros de diesel. Com este crédito, ele poderá abastecer ao longo da viagem usando o cartão. A alta no diesel, segundo ele explicou, não impactaria assim no valor negociado pelo frete. A Petrobras informou, no entanto, que o cartão valerá apenas para os postos BR.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Fonte: Diário do Transporte

Comentários no Facebook